Visualização dos posts

12 de agosto de 2014

Mood Board: Oceanário de Portugal

Recentemente contei pra vocês que viajei com a família pra Portugal, e foi uma das melhores coisas que eu fiz nos últimos meses! Foi ótimo tirar um tempinho dapra relaxar, curtir o marido e ficar perto dos filhos. Nos divertimos bastante, foi tudo incrível e ainda descobri várias coisas legais pra compartilhar aqui no blog com vocês icon wink Mood Board: Oceanário de Portugal

Chegando na cidade, nosso primeiro passeio em família foi uma paradinha pra visitar o Oceanário de Portugal. Qualquer pessoa que já tenha assistido Discovery Channel deve ter visto, mas se nem assim você se lembrou, dá uma olhada nesse lugar. É um escândalo de lindo!

oceanario 1 Mood Board: Oceanário de Portugal

Separei duas opções de looks com dois estilos diferentes pra essa ocasião. Um mais conservador, porém com um estilo super contemporêneo e fresh – ideal para a mãe.  Já a filha, mais jovem e cool, toque de ladylike na saia com comprimento mais curto, salto alto e camisa básica. Pra finalizar a produção, mix de cores nos acessórios.

looks oceanario Mood Board: Oceanário de Portugal

A inspiração pra cartela de cores de ambos os looks foi toda pensada em torno do cenário, que tem muuuitos tons vivos, é hipnotizante. Adorei! Se estiver pela cidade não deixe de passar por lá!

Gostaram da dica e dos looks? Compartilhe seus lugares ideais para viagens em família!

Ver mais >
5 de outubro de 2012

Flávia Pires: dicas de uma globetrotter

5342017445 c9917c3cfb o 1024x767 Flávia Pires: dicas de uma globetrotter

Dicas de compras na Índia, qual igreja barroca visitar na Itália ou o beach club que está bomando em St. TropezFlavia Pires, carioca, moradora em São Paulo há 11 anos, divide suas viagens -que não são poucas- em seu recém lançado site, o Flávia Pires Explora.

 A ideia é compartilhar as mil experiências de viagens, já que essa globetrotter assumida, roda o mundo e sempre volta cheia de dicas quentes e preciosas que só uma insider pode contar. Se você gosta de viajar ou está escolhendo o próximo destino não deixe de fazer sua visita e depois conta para gente qual foi a sua escolha.

http://www.flaviapiresexplora.com.br

 

Ver mais >
1 de março de 2012

Saint Tropez

Desde que fui pela primeira vez à Saint Tropez, há uns 15 anos atrás, eu me apaixonei e desde então essa cidade passou a ser destino certo nas minhas férias de julho!

Adoro ver seus vinhedos no caminho para a praia, sua vegetacão tão diferente da nossa, com pinheiros típicos do Sul da França e seu charme provençal, com mil ruelas e bequinhos lotados de restaurantes prá lá de charmosos!

Tatiana, minha filha, nos acompanha nessa viagem desde que tinha 8 anos de idade (ela está com 20) e ao longo dos anos, nossos programas foram mudando pouco a pouco, pois passamos a ficar na praia até mais tarde, sair para jantar sem pressa e até dar um pulinho à Cave du Roy, a boite mais famosa de lá. Quem quiser ir com criança não tem o menor problema, é só fazer um horário mais cedo e escolher as praias menos agitadas.

E por que gosto tanto dessa cidade? Primeiro porque AMO praia e as de lá são ótimas (claro que não tem a beleza das nossas) , o mar é clarinho e limpo e oferecem todo o conforto necessário, com espreguiçadeiras na areia, guarda-sóis, serviço de bar, restaurantes maravilhosos (uns até com desfile de roupas) e boutiques com roupas super transadas!

Depois disso, nada melhor do que passear pelas ruazinhas do centro, repletas de lojas das melhores grifes (Pucci, Dolce, Chanel, Tod’s , Dior, Celine, Fendi, entre outras) e acabar o dia jantando em um restaurante da sua escolha: animadíssimo, romântico ou cool,  ” it’s your decision “, há para todos os gostos !

Se ainda tiver fôlego, vá à Cave du Roy ou ao bar da piscina do Byblos, onde as pessoas mais bonitas da cidade passam para um drinque antes ou após o jantar!

Chateau StTropez3 410x289 Saint Tropez

Seguem abaixo minhas sugestões para se aproveitar o melhor que St. Tropez tem a oferecer:

Hotéis:

BYBLOS – O mais famoso e animado.À noite o bar ao lado da piscina fica lotado só com gente bonita e transada. Estilo Provence, com quartos claros e serviço excelente. Meu preferido.

 byblos 410x230 Saint Tropez

YACA – Muito bem localizado, no centro, quartos de bom tamanho e um restaurante bem charmoso ao lado da piscina; é bem conhecido pelos brasileiros que frequentam a cidade.

 PAN DEI PALAIS 410x272 Saint Tropez

PAN DEI PALAIS – Pequeno, 13 quartos, mas super charmoso, Decoração estilo asiática, com uma área externa com piscina atrás que é perfeita para drinque e um jantar oriental. Também no centro.

KUBE – Super moderno, na entrada da cidade. Possui um Ice Bar , onde você entra de roupa de neve, uma loucura!  Vista linda para a baía em frente, mas acho um pouco fora de mão.

 KUBE 410x273 Saint Tropez

Praias :

CLUB 55 – A mais sofisticada, sempre lotada e com o jet set em peso no seu restaurante. Calma, para quem não gosta de música alta mas gosta de ver e ser visto.

 CLUB 55 410x272 Saint Tropez

VOILE ROUGE – A que possui o restaurante mais bonito (com rosas vermelhas naturais e copos da mesma cor), mas a mais agitada, principalmente nos fins de semana, onde se faz guerra de champanhe quando os russos estão por lá! Para quem quer se divertir muito!

 VOILE ROUGE 410x307 Saint Tropez

PALMIERS – Toda branca, é a mais cool e transada. Super confortável, grande, com desfile de moda durante o almoço. Tem até SPA para um relax total.

TAHITI – Uma das mais tradicionais, frequentada por europeus em sua maioria. Tem a melhor boutique , onde você encontra todas as marcas in do momento e que são desfiladas durante o almoço. Bem animada, comida excelente e a praia é bem confortável.

NIOU LARGO – Essa possui 2 restaurantes, um italiano e um asiático; eu prefiro o asiático. Não tem agito, mas é super gostosa, o restaurante é um charme e à noite é um lugar maravilhoso para se ir jantar, ainda mais se for noite de lua!

Restaurantes:

JOSEPH E L’ESCALE – São do mesmo dono, com menus parecidos. Sempre cheios e animados, certas noites eles quase viram uma night , com gente dançando entre e em cima das mesas!

 JOSEPH E LESCALE 410x272 Saint Tropez

VILLA ROMANA – Uma instituição de St. Tropez. Decoração kitsch, com estampas de bichos, veludos e dourados.Sempre animado, mesas grandes, drinques enormes, inacreditáveis! Lugar para se ir em grupo e se divertir com o desfile de mulhres semi-nuas, não esperem comida boa, vale a diversão!

CRISTINA  SALIERI – Melhor comida da cidade. Italiano, pequeno, as mesas ficam do lado de fora numa ruelinha apertada, mas vale muito a pena, é super charmoso!

BRASSERIE DES ARTS  - Na praça principal. Comida gostosa, gente bonita e animado na medida.

 BRASSERIE DES ARTS 410x185 Saint Tropez

SPOON- No Hotel Byblos. Charmoso, moderno, a comida é razoável apesar de ser Alain Ducasse.

 spoon deck lrg 410x272 Saint Tropez

Drinques:

SENEQUIER – No porto, vale a pena sentar uma tarde, tomar um drinque e ver a movimentação das pessoas e dos iates enormes.

 Cafe Senequier St. Tropez   flickr   Bruce Tuten 410x273 Saint Tropez

Dicas:

Faça reserva para a praia e seus restaurantes, na temporada tudo fica cheio, mas se você tem reserva tudo flui sem problemas! O mesmo serve para o jantar.

Procure ficar em um hotel no centro, as praias são longe dos hotéis e assim à noite você não precisa pegar carro e dá para fazer quase tudo à pé.

Explore a parte chamada La Ponche, que é a parte antiga da cidade, cheia de lojinhas e casa fofas!

Terças e sábados tem feira na Place des Lices, vale a pena ir um dia de manhã para ver uma típica feira provençal.

Ver mais >
29 de novembro de 2011

O Hotel da moda

Os hotéis boutique surgiram com a idéia de unir exclusividade e instalações com ênfase em design e serviço de qualidade. Pelos corredores  ficam expostas obras de arte e há um cuidado especial na escolha dos móveis e objetos, que geralmente tem assinatura de grandes designers. É por isso que os hotéis passaram a convidar maisonsestilistas e pessoas ligadas à moda para cuidar da decoração dos quartos ou até mesmo de todos os ambientes.

Tudo começou com Christian Lacroix, redesenhando o interior do Bellechasse, do Petit Moulin e do Le Notre Dame em Paris. Lá, o estilista abusou do barroco, das peças bastante adornadas e do exagero das formas e estampas que cobrem inclusive as paredes. A partir disto, a idéia se espalhou pela cidade e ganhou o mundo:  parou em Londres com as estampas de Diane von Furstenberg, fez escala no Oriente Médio, chegou até na Oceania com a Versace e revitalizou antigos e tradicionais endereços dos amantes de viagens.

O mais recente projeto é de Azzedine Alaïa que está alugando três apartamentos ao lado do seu atelier, na 5 Rue de Moussy, no Marais. O prédio foi totalmente reformado para dividir o antigo loft em três apês de 102 m² cada, sendo um com dois quartos e os outros dois com quatro. A decoração mais que especial faz parte do acervo do próprio Alaïa e tem móveis de Jean Prouve, Marc Newson e Arne Jacobsen.

Separamos alguns dos mais importantes hóteis boutique mundo afora e deixamos para você a escolha do destino perfeito.

 

 

 

Ver mais >
24 de novembro de 2010

My Kind of Town – Roma

Estive em Roma durante oito dias, mas me bastaram apenas algumas horas caminhando pelas ruelas em torno da Piazza De La Rotonda e o seu magnífico Pantheon para ter a certeza de que “La Dolce Vita”, o clássico filme de Frederico Felini que comemorou seu aniversário de 50 anos no Festival de Cinema dessa cidade na primeira semana de novembro de 2010; jamais poderia ter sido gravado em qualquer outro lugar.

A vida em Roma é doce porque existe beleza dentro e fora das pessoas. A simpatia e elegância romana saltam aos olhos. O Festival de Cinema de Roma de 2010 exibiu uma versão completamente restaurada de “A Doce Vida”, numa iniciativa de Martin Scorsese, o famoso diretor americano, junto com os técnicos da Universidade de Bolonha. Evento imperdível para qualquer cineasta. Infelizmente, nada disso recebeu destaque aqui no Brasil. Meu doce novembro na capital italiana fez com que eu me apaixonasse pela “Cidade Eterna”, que faz justiça a essa expressão que a caracteriza tão bem. Entre ruínas das construções dos tempos dos Césares e gladiadores; entre piazzas magníficas cheias de fontanas do período barroco que tornam a descoberta dos lugares escondidos da capital italiana uma busca tão prazerosa, entre as lojas de muito glamour da Via del Corso, ou Via Condotti, terminando com um gelato na Piazza Di Trevi; Roma presenteia nossos olhos e corações com cenários que jamais sairão da nossa memória; ficarão dentro de qualquer visitante ETERNAMENTE.

ONDE FICAR

Sem sombra de dúvida, as imediações da movimentada Via del Corso, que em uma ponta nos conduz à Piazza del Popolo e na outra nos deixa diante do fantástico monumento Vittorio Emanuelle II ( Visita obrigatória! O topo deste monumento grandioso guarda o mirante que proporciona as vistas mais incríveis da Cidade Eterna!), é o local mais recomendado para quem quer estar no meio de tudo que existe de importante em Roma se hospedar. Nessa área é onde também se encontra a famosa Piazza Spagna, com uma estação de metrô estratégica e todas as lojas que deram aos italianos a fama de povo mais elegante do mundo.

Algumas opções de hotéis bacanas que eu vi por lá seguem. Eu, pessoalmente, marinheira de primeira viagem, optei por me hospedar próxima ao Vaticano. Não repetiria o mesmo hotel.

Pantheon Royal Suite (Piazza De La Rotonda, 7. Pantheon-Roma)

Dolce Vita Residence (Via del Mancino, 8. Trevi-Roma)

Hotel Imperiale (Via Veneto,24.Ludovisi-Roma)

O QUE VISITAR

Roma é uma cidade grande e com atrações de naturezas diversas. O Vaticano, sem sombra de dúvida, seria o que existe de mais imperdível na cidade. A Basílica de São Pedro, que guarda a famosa escultura “Pietá” do mestre italiano Michelangelo em seu interior, assim como o Museu Vaticano que esconde a inesquecível Capela Sistina, são as principais atrações. Recomendaria uma visita ao lindíssimo Castelo Sant’Angelo, onde foram gravadas muitas cenas do filme “Anjos e Demônios”. É um lugar dramático, muito bonito mesmo, em frente ao Rio Tibre que corta a cidade.Algumas das fotos mais bacanas que se pode tirar em Roma, definitivamente, são desse local. As ruínas do Império Romano, com destaque para uma das sete novas maravilhas do mundo – Coliseu de Roma, também fazem parte do roteiro obrigatório da cidade. A Fontana Di Trevi é um cenário de sonho, não deixem de fazer um pedido de costas para a fonte e jogar uma moedinha!Depois de tirar muitas fotos, tome um gelato delicioso e refrescante no Café Di Roma. A Villa Borghese é o pulmão verde da cidade, um parque cuja principal atração é, na realidade, a Galeria Borghese com seu acervo rico das pinturas dos mais famosos artistas italianos. Para quem gosta muito de arte, como eu, é um prato cheio! Quem quiser fazer compras vai encontrar no triângulo formado pela Via Condotti, Via Del Corso e Via Tomacelli, um verdadeiro paraíso para gastar euros! A Ferrari Store é o que tem de mais original no lugar! Blusinhas, sapatos e bolsas com o símbolo da escuderia italiana da Fórmula 1 estão disponíveis e a loja, muito grande, está sempre bem cheia de gente jovem. Sempre tem música ambiente e o local acaba virando um point.

CULINÁRIA ITALIANA EM ROMA

Nas imediações da Piazza de La Rotonda e Piazza Navona, encontram-se uma verdadeira INFINIDADE de lindas trattorias, onde se pode saborear pratos típicos da culinária italiana, com destaque para o Spaghetti ao Vôngole, Risotto de Funghi com Trufas e muitas pizzas!O vinho preferido dos romanos é o Pinot Grigio, do qual eu virei fã! Na Piazza Navona vocês vão ver também a belíssima Embaixada Brasileira na Itália. Para quem quer ir atrás dos famosos gelatos italianos, o lugar mais concorrido é o Las Palmas , nesses arredores também. O Alfredo Di Roma original ainda funciona e está sempre bem cheio. Come-se muito bem na cidade e os preços não são caros. Quem quiser conhecer os restaurantes mais caros, pode procurá-los nas ruas adjacentes à Piazza del Popolo. Outro lugar interessante para comer bem e ver o movimento romano é a Via Conzilliazione, que liga o Vaticano ao Castelo Sant’Angelo.

ÚLTIMAS INFORMAÇÕES

É verdade que os turistas precisam tomar cuidado com seus pertences em Roma, mas nada que assuste. Tratando-se de uma cidade extremamente turística que recebe muitos visitantes ao longo de todo o ano, é normal que o cuidado com a câmera e a carteira precise ser redobrado. Também é verdade que o trânsito em Roma é desorganizado e é importante atravessar a rua SEMPRE na faixa de pedestres, com bastante cautela. Desembarcando no aeroporto internacional de Fiumicino, lembre-se de prestar bastante atenção na área de restituição de bagagem, pois geralmente o painel de informações erra o número da esteira que devolverá as malas do seu vôo. Mantenha-se sempre informado!Táxis em Roma são um meio de transporte MUITO seguro, mas bem caro. Vale a pena deixar as corridas de táxi para o final do dia, quando depois de ter caminhado bastante, tudo que se quer é estar rápido no quarto do hotel para descansar.

Roma , para marinheiros de primeira viagem na cidade, é uma experiência encantadora.

A Cidade Eterna seduz pela sua beleza arquitetônica e pela constante sensação de “dolce far niente” que o ritmo de vida dos locais transmite. Certamente, eu vou retornar em breve! Recordo ter dito para os meus amigos que eu não sentia estar viajando , sentia estar em casa. São muitas as semelhanças entre os romanos e os brasileiros: sensualidade, beleza e simpatia. Ciao !

POR FERNANDA SEABRA

CINEASTA FORMADA PELA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ, 26 ANOS, ROTEIRISTA FREE LANCER E WORLD TRAVELLER ASSUMIDA.

Ver mais >
29 de outubro de 2010

My Kind of Town – Berlin

berlin cathedral and My Kind of Town   Berlin

Devo confessar antes de tudo, que sempre fui fã número 1 da Alemanha inteira.

Do povo determinado, desse país cheio de História, da diversidade de paisagens e até do idioma, o qual durante alguns anos até me atrevi a estudar um pouco… Porém devo confessar também que tenho e sempre tive uma predileção por Berlin, entre todas as cidades desse fantástico país! Muitos falam e eu já tive oportunidade de conhecer o carisma de Munique, a sobriedade de Hamburgo, o romantismo de Heidelberg e a imponência de Frankfurt. Mas dizer que Berlin reune todos esses atributos e muitos outros não é exagero; e é com muito carinho e alegria que tentarei compartilhar aqui na coluna Packing um pouco de tudo que conheço dessa magnífica cidade.

Hospedagem

Desde a queda do muro em 1989 que os esforços para reunificar e reconstruir a antiga Berlin Oriental são evidentes. Assim, fica a dica de hospedagem na antiga Berlin comunista, que hoje respira mais oxigênio de capitalismo que sua cara metade. Os hotéis mais charmosos e recém reformados estão decididamente no lado Leste da cidade. O Hotel Adlon (www.kempinski.com/en/berlinadlon) é a mais perfeita tradução dessa verdade. Fechado desde o final da Segunda Guerra, foi reformado com primor e está ao lado de um cartão postal berlinense: o Portão de Brandemburgo. E na avenida que pode ser considerada uma das artérias principais da capital alemã: Unter den Linden. Entretanto, se você prefere reviver o auge da Berlin ocidental das décadas de 1970 e 80, uma ótima opcão é ficar hospedado no Intercontinental Berlin (www.berlin.intercontinental.com)  que fica no coração da tradicional Avenida Kurfürstendamm.

Museus

“Berlin e seus espetaculares museus!” Você já deve ter escutado essa frase. Deve ter escutado também que seria uma imensa bobagem tentar conhecer todos eles na sua única ou primeira visita. Na minha opinião, os imperdíveis são o Pergamon (www.smpk.de) com sua exposição de arte e arquitetura da Grécia, Babilônia, e dos Impérios Romano e Islamico. Dá para imaginar ruas inteiras da Babilônia reconstruidas? E um gigantesco altar de 165 AC, que foi trazido da atual Turquia e que dá o nome ao Museu?

Outras excelentes opções são o Bode Museum, por muitos conhecido como o Louvre alemão, que foi reaberto em 2007 após longo período de reformas; assim como o Altes Museum que entre tantos highlights abriga nada mais nada menos que um imenso tesouro: a cabeça de Nefertiti, que era anteriormente exibida no Museu Egípcio.

O melhor de tudo é que os museus citados acima estão todos localizados pertinho do outro numa pequena “ilha” entre as margens do Rio Spree; tão evidente em Berlin quanto o Sena é em Paris.

Não há como falar em Berlin e não mencionar MUITAS vezes o tão famoso e abominável muro que dividiu a cidade e separou famílias durante o período da Guerra Fria. O Museu do Muro, na Friedrichstrasse. Lá você vai conhecer desde as causas até as consequências da sua construção. Riqueza de detalhes nas tentativas de fuga para o lado ocidental  e muitas outras informações sobre esse muro que mesmo depois de demolido há mais de 20 anos ainda faz parte da memória e da realidade dos alemães.

Restaurantes

Cosmopolita do jeito que é,  Berlin oferece desde a mais tradicional culinária alemã até os melhores restaurantes de comida internacional. Grandes chefs fazem de Berlin um banquete em forma de cidade. Para todos os gostos e todos os bolsos.

Quando você for visitar a Ilha dos Museus, uma dica bacana é dar uma parada entre o Pergamon e o Bode para comer uma pizza no Zwolf Apostel, uma opcão barata e rápida ( Bleibtreustrasse 49 )

Para aquele jantar romântico e/ou gourmet, você precisa ir ao premiado Vau, e é recomendado pedir reserva ao seu concierge (Jägerstrasse 54 / Tel 2029730)

Se você quiser reviver a parte boa da disputa entre franceses e alemães, vá ao Borchardt ( na Französische Strasse 47) e prove o melhor do cardápio franco-germânico. É um pedacinho de Beverly Hills no coraçào de Berlin. O lugar para ver e ser visto: beaultiful people, great food.

Se existe uma dica preciosa, é essa: Não há como visitar Berlin sem conhecer o Parlamento (Reichstag em alemão) e se deslumbrar com a novíssima cúpula projetada por Norman Foster que tanto contrasta com a antiga arquitetura do prédio. E para fugir da imensa fila que se alastra diariamente na frente do Parlamento? Faça uma reserva com a ajuda do seu concierge para almoçar no Käfer’s: restaurante localizado na cobertura. Você vai entrar pela lateral , comer super bem e se deparar com uma vista de tirar o fôlego. Depois? Vá conhecer o Parlamento!

O melhor da cozinha francesa que conheci em Berlin está no Margaux ( Unter den Linden, 78 tel. 22652611). Contemplado com uma estrela do Guide Michelin, você concorda que não tem erro? O chão de mármore carrara e as poltronas em veludo vinho fazem a ambientação perfeita!

Para um lanche rápido ou um café da manhã mais frugal para aqueles que estão hospedados no Adlon, uma ótima dica é o Cafe Einstein. Frequentado por berlinenses, o lugar ideal para se sentir como um deles. Na esquina da Unter den Linden com Friedrichstrasse.

Compras

Quem nunca ouviu falar da KDW? A famosíssima loja de departamentos de Berlin é sensacional e merece a otítulo de “melhor da Europa”. Fica no início da Kurfürstendamm.

AM1,2 e 3 É uma loja-conceito super original para roupas, acessórios e coisas para casa de marcas conhecidas, mas tem também peças sensacionais garimpadas por toda a Alemanha.

Outra multimarcas sensacional é a Berlinomat ( www.berlinomat.com.de ). Roupas de designers do momento, acessórios , utensílios, CDs e objetos de design.

Descendo a Friedrichstrasse abaixo da Unter den Linden você vai encontrar todas as grifes internacionais. Está para Berlin como a Rodeo Drive está para L.A. e como a Via Condotti está para Roma.

Outros Lugares

Escrever detalhadamente sobre Berlin para a coluna Packing exigiria muitos outros bits & bytes!

Não deixe de visitar a Potsdamer Platz, que atualmente reune um centro de compras e entretenimento fabuloso em projeto de arquitetura de Renzo Piano. Mais um símbolo da “New Berlin”.

Alexanderplatz e sua história. Fortemente bombardeada durante a Segunda Guerra, ganhou o supra sumo de ares comunistas na arquitetura quando foi reconstruida. No centro, a famosa Torre de TV, que segundo os berlinenses ocidentais, nada mais era do que uma maneira dos comunistas observarem o outro lado. Se a fila não estiver grande, vale a pena subir! E se tiver na hora daquela fominha, o restaurante é muito bom com preço razoável!

Gendarmenmarkt é sem dúvida a praça mais bonita de Berlin. Com as catedrais gêmeas, o Konzerthaus, belíssimos hotéis ( o Berlin Hilton é um deles ), lojas design e aconchegantes cafés merece uma visita.

Pertinho dali, Bebelplatz. Lugar histórico onde Adolf Hitler fez a lastimável, porém famosa fogueira de livros.

BY ANDRÉ CUNHA LIMA

Viajante inveterado e amador, é profissional da área de alimentação que se destaca no mercado por conduzir a rede JOE & LEO’s e recentemente seu mais novo desafio: O ANDY’S, que serve no Baixo Leblon o melhor dos mundos dos hot dogs e milk shakes.

Ver mais >
8 de outubro de 2010

My Kind of Town – Croácia

Um problema de última hora no itinerário para uma viagem a Ásia, me fez mudar o destino para Dubrovnik , na costa da Croácia .

Fui pelas belíssimas fotos de um amigo que havia passado alguns dias nesta região. E recomendo. Dubrovnik é linda e única e merece o título de ” A Pérola do Adriático”. Cercada por uma muralha de cerca de 2km, a cidade parece que parou no tempo com suas vielas, igrejas, monumentos, telhados de telhas vermelhas  e ruas pavimentadas com pedras e mármore. A cidade velha , Old Town, é patrimônio da Unesco.

Histórico

Dubrovnik  tem uma história de destruição e renascimento. Sua fundação data do séc XVII e inicialmente era conhecida por Ragusa . Passou por um grande terremoto em 1667, foi reconstruída  e  novamente destruída durante os bombardeios constantes durante o período de 1991/92  quando o país resolveu  se separar da Yugoslavia. As fotos desta época  são de cortar o coração. Mas foi capaz de se levantar mais uma vez e tornou-se ,em pouco  tempo , em  destino turístico recebendo milhares de visitantes por ano.

MELHOR ÉPOCA PARA CONHECER

Pode ser conhecer Dubrovnik em um único dia mas aconselho a fazê-lo em 2 ou 3 dias com calma. Estive lá no verão , alta temporada , muito turista ( como se eu não fosse um deles …) e dias de cartão postal. Nesta época  acontecem os concertos ao ar-livre, apresentações de cias teatrais, feiras  etc.( www.dubrovnik-festival.hr ). São muitas as opções de hospedagem, desde quartos em casas de família até hotéis mais elegantes. Se o budget permitir , o Hotel Villa Dubrovnik, recém inaugurado, é maravilhoso .

Aqui o que eu achei de melhor

As muralhas

Sem dúvida este é o must see da cidade. 2km de sobe e desce e uma vista deslumbrante do mar Adriático e do centro histórico. Faça a caminhada no final do dia quando o sol está menos forte e os turistas que só vieram passar o dia já estão se retirando.

Placa Stadrum

Esta é a “Broadway” de Dubrovnik. Gente passando para lá e para cá o dia e a noite inteira. O melhor programa é sentar num dos vários cafés ao longo do percurso e ver o desfile, sem pressa para se  levantar. Os dois cafés com localização privilegiada são o Cele, bem no início, ao lado da Igreja de St. Blaise ;  e o Gradska  Kavana  ( Pred Dvorom ) que fica ao lado do Rector’s Palace .

Rector’s Palace ( Pred Dvorum )

Antiga sede do governo. Muito bonito por dentro. Cathedral  (Polijana Marina Driia ) e o Franciscan Monastery ( Stadrum ) também valem uma visita.

Restaurantes

São milhares espalhados pela cidade, e uma grande concentração na Prijeko, rua  paralela a Stadrum. Todos com menus  semelhantes ( versão em inglês , não se preocupem ).Ficam abertos até tarde o que te permite passar o dia na praia e deixar a cidade para o final do dia. É difícil dizer qual a diferença entre um e outro. Segui as dicas do concierge do meu hotel .

Lokanda Peskarija  -  ( Na Ponti)

Localizado de frente para o porto. O risoto de frutos-do-mar é o prato chefe e vem na panela para mesa. Garçons com camisetas listradas dão charme ao lugar. Foi o restaurante que mais gostei.

Nautika

Uma das vistas mais bonitas da cidade, de frente para o mar e a torre Lovrijenac.

E  para quem enjoar do cardápio local ( acontece muiiiito quando se viaja com criança) a Pizzaria Castro ( Gunduliceva Polijana ) cai como uma luva .

Sorvetes são impossíveis de se  resistir,  principalmente no calor. São várias sorveterias e qualquer uma com certeza vai agradar.

Ilhas Elaphite

Além de Old Town, Dubrovnik oferece algo imperdível : o mar. Águas limpas e cristalinas e uma costa a ser explorada se você tem mais tempo. No meu caso diante da estada limitada, fui passear pelas ilhas Elaphites  próximas a cidade. Lopud e Sipan são os destaques e realmente recomendo conhecê-las.

Os hotéis…

Sabem organizar excursões diárias e um serviço de ferry cobre toda a região.  Não senti dificuldade de me comunicar, restaurantes, taxis,lojas , todos falam o suficiente de inglês e estão sempre dispostos a te ajudar. Além disso é fácil de encontrar kiosks de companhias que oferecem todos os tipos de passeios pela costa.

Shopping…

Fica restrito a mil lojinhas de souvernir e artesanato local vendido pelos ambulantes nas ruas e praças ( bonitas as joias em prata e filigrana ). O melhor são os azeites fabricados na região e os saches de lavanda que perfumam as vendinhas. Apesar de muito procurada pelos turistas Dubrovnik  não é uma Saint Tropez ou Costa Amalfitana. Deixe suas compras para outro lugar …

By Nane Peixoto

nane My Kind of Town   Croácia

Formada em Comunicação Visual pela PUC-RJ, dedicou-se sempre à área de moda com experiência em desenvolvimento de produto, tecelagem e vitrines, passando por empresas como Blue Man, Tecelagem Nova América e Richards. Mora nos EUA há mais de quinze anos, tendo trabalhado na GAP e Whitaker International. Tem um Blog naneemny.blogspot.com com dicas de NY.

Ver mais >
15 de setembro de 2010

My Kind of Town – Brisbane

“Se você é do tipo de pessoa que, assim como eu, adora o Brasil, apesar de todos os seus problemas, pode então ter certeza que iria amar a Austrália. Por um motivo muito simples: é o Brasil que deu certo”

É o Brasil cuja riqueza é distribuída de maneira proporcional entre os seus residentes. É o Brasil onde os impostos pagos pela população são efetivamente destinados à educação, segurança e saúde, tudo, de altíssima qualidade. É o Brasil onde o povo é tão divertido quanto os brasileiros, mas que consegue ser educado em todos os aspectos: social, ambiental e cultural.

Às vezes me pergunto o motivo de não ter nascido lá; talvez porque nessa vida eu tinha que perceber o que é viver em um país quase perfeito, para então saber valorizar o país perfeito (pelo menos, para mim).

Discussões elouquentes à parte, posso dizer que sou uma pessoa que teve o privilégio de conhecer os quatro cantos da Austrália, através de duas ocasiões diferentes: uma de mochilão, com a minha melhor amiga, Maria, e outra acompanhada do meu namorado, Vitor, num estilo mais “upgrade” que a da ocasião anterior, eu diria. As duas viagens foram maravilhosas, cada uma com as suas características peculiares, mas a segunda foi mais especial: primeiro, porque, na opinião de uma romântica convicta, é muito melhor viajar ao lado da pessoa que se ama; segundo, porque foi com ele que tive a oportunidade de conhecer a cidade australiana que mais me encantou: Brisbane.

PRAZERES

Você gosta de cultura? Moda? Arquitetura? Badalação? Diversão? Contato com a natureza? Praias lindas? Isso é Brisbane. Não que exista tudo isso junto dentro da própria cidade de Brisbane, mas pode ter certeza que somando Brisbane aos seus arredores, é possível ter contato com tudo isso e mais um pouco.

Ficamos no Hotel The Marque (que é um tipo de Hotel Ibis mais sofisticado e muito bem localizado) no centro da cidade de Brisbane, o qual, se traduz, em suma, a um não tão grande retângulo, onde as extremidades são cercadas de shoppings de rua, do Rio Brisbane, do seu respectivo jardim botânico e das principais vias de acesso ao local.  Nada que um “Sightseeing Tour” de ônibus, de quatros horas de duração, não o permita conhecer todos esses pontos turísticos na íntegra.

Além disso, tais passeios nos levam para outros cantos bem legais como o Kangaroo’s Point, que é um mirante fincado em cima de uma das famosas falésias australianas, o qual proporciona a vista mais panorâmica e incrível da cidade;  e South Bank, que é, nada mais, nada menos, que um bairro super-hiper luxuoso onde foi construída uma praia artificial estilo resort, localizada do outro lado da Victoria Bridge, principal ponte da cidade a qual liga o Centro a outras regiões de Brisbane, tal como South Bank.

PAUSA PARA SOUTH BANK

Imagine um local como Ipanema, bem limpa, sem sequer ter um papel jogado no chão, onde todos os prédios são baixos e sem grades, a arquitetura extremamente moderna,  e no seu entorno existem inúmeros restaurantes e barzinhos localizados em frente dessa praia que é artificial, porém, linda, pois a areia é branquinha e a cor da água bem azul. E tudo isso, de graça? Ou seja, só para deixar bem claro: imagine poder freqüentar no Brasil um local que não deixa nada a desejar à parte aquática e acomodações (ao ar livre) do Club Med, gratuitamente, bem ao lado do Centro da cidade? É nesse exato momento que você realiza que um empreendimento dessa categoria sem a devida fiscalização e “sem cobrar nada pela entrada”, não daria certo de maneira organizada e civilizada no nosso País (infelizmente).

Já no Centro de Brisbane é possível passear pelas suas correspondentes vias de pedestres e notar as obras de arte espalhadas pela cidade e que a população, quase que em sua maioria, é de jovens. Não é à toa que existem muitos barzinhos, restaurantes e lojas de roupas concentrados em suas imediações. Dica de shopping bem bacana: David Jones (é uma rede sofisticadíssima da Austrália, onde só existem as melhores marcas do mundo, desde Salvatore Ferragano a Miu Miu, Chanel etc.).

VIDA NOTURNA

A vida noturna em Brisbane se resume ao seguinte bairro: “The Valley”. São tantas boates e pubs juntos, que você lavaria ao menos duas semanas para conhecer tudo que esse local boêmio tem para oferecer. Não se paga nada para entrar, mas em alguns deles, a “hostess” tem que simplesmente “ir com a sua cara” para deixá-lo ter acesso ao interior do recinto.

Recomendações importantes:Sempre levar o passaporte, pois é imprescindível a apresentação do mesmo para entrar;  e, sair de sapato e camisa social, pois em certos lugares não é permitida a entrada de pessoa usando tênis ou camisa pólo e/ou de malha.

Dicas de boates inesquecíveis e deslumbrantes: The Met e Über Club (onde toca house music e hip hop muito bem selecionados).

Dica de bebidas: Todas as cervejas. Australiano legítimo só bebe cerveja!

SAINDO DE BRISBANE, MAS NÃO TÃO LONGE DALI, EXISTEM QUATRO LUGARES FANTÁSTICOS QUE VALEM UMA VISITA:

SPRINGBROOK NATIONAL PARK

É uma reserva florestal onde você tem a oportunidade de passear no meio de uma floresta tropical, tomar conhecimento de toda a fauna e flora australiana, e apreciar uma das mais belas visões que já teve: uma cachoeira que passa naturalmente por dentro de uma caverna (“The Natural’s Arch”). Nesse passeio, o ônibus da excursão (que não tende a variar muito de roteiro) costuma passar no meio da zona rural australiana e é possível parar nos mercadinhos locais e comprar lembranças e apreciar as frutar típicas da região, como a exótica “dragon fruit”.

AUSTRÁLIA ZOO

Certamente deve ser o melhor zoológico em termos de infra-estrutura de todos os tempos. Pelo menos, é o maior da Austrália, segundo os australianos. O que diferencia esse dos outros é que não existem grades nos locais onde os animais ficam, e sim vidros, como se fossem vitrines, que cercam os animais que são considerados potencialmente perigosos, como os tigres e jacarés. Alguns não tão agressivos, ficam parcialmente presos, como é o caso dos wombats (bichinho típico que parece um ursinho pardo pequeno) e só existe uma cerca bem baixinha  ao redor do habitat criado para os mesmos, e o restante dos outros bichos ficam totalmente soltos, como acontece no “Kangaroo’s Heaven”, onde é possível alimentá-los com uma ração própria, e ter contato físico com os mesmos.  Outro ponto que diferencia esse zoo dos que existem por aí, é que as pessoas podem tirar fotos  segurando pítons, cacatuas ou koalas, e ainda por cima dar comida aos elefantes (que ficam soltos em horários programados, passeando em fila indiana pelo zoo. Muito fofo!). Certamente trata-se de uma experiência única!

BYRON BAY

Ir para esse local mágico é praticamente uma viagem ao passado. Mais especificamente, aos anos 60. Byron é basicamente uma comunidade hippie convivendo pacificamente em pleno século 21. É uma cidadezinha extremamente bucólica também conhecida pelo seu majestoso farol, e por possuir uma praia que é uma das preferidas dos surfistas.  De tão calmo o clima desse local, pode ser resumido na frase mais usada e conhecida na Austrália: “No worries, mate!”.

SURFER’S PARADISE

Essa cidade simplesmente é o máximo! Localizada em plena Gold Coast, Surfer’s é uma mistura entre Miami Beach e Rodeo Drive. A praia de lá também é uma das mais procuradas pelos surfistas, mas o centro de Surfer’s não deixa nada a desejar para Bervely Hills, pois esse clima praiano estilo Miami, coexiste tranqüilamente com todo o luxo das boutiques Gucci, Louis Vuitton e afins. Um passeio bem legal é o tal do “Aquaduck”, onde você pega um ônibus que vira barco e além de conhecer a cidade como um todo, é possível ver todas as mansões e iates milionários da região. Para se ter uma idéia de como o povo de Surfer’s é próspero, lá é a sede do único hotel de seis estrelas da Austrália – o Palazzo Versace Hotel.

BY RENATA PERDIGÃO

Renata é formada em Direito pela Universidade Cândido Mendes (Centro), pós-graduada pela Fundação Getúlio Vargas – FGV em Direito da Economia e da Empresa, e atua há dez anos como advogada de empresa na área de óleo e gás. Já residiu por nove anos no exterior e entende que um dos melhores investimentos da vida é poder viajar, principalmente para lugares exóticos.

Ver mais >
24 de agosto de 2010

My Kind of Town – São Petesburgo

SÃO PETERSBURGO

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Quando eu cheguei em São Petersburgo, tive a sensação de estar transitando por três períodos muito distintos da História Russa ao mesmo tempo: o luxo da época dos Czares Romanov e toda a herança arquitetônica que eles deixaram na cidade, a Revolução Socialista de 1917 e a invasão nazista de 900 dias que tanto marcou o povo do lugar. Ter visitado a cidade em Julho, no auge do verão, não poderia ter sido uma escolha mais inteligente. Estar diante do Rio Neva com o sol iluminando um cenário de fazer qualquer coração insensível bater mais forte, foi uma das experiências mais incríveis da minha vida! É bom ressaltar que em São Petersburgo, assim como em qualquer outra cidade da Rússia, é difícil encontrar pessoas que falam inglês fora dos hotéis, grandes atrações turísticas e restaurantes do centro da cidade.No entanto, podem ficar tranquilos: os Russos são prestativos, acolhedores com quem se mostra disposto a conhecer sua cultura e tudo o que você precisa saber pra conhecer bem a cidade pode ser encontrado num desses mapas que ficam disponíveis na recepção dos hotéis. É uma aventura divertida e uma experiência cultural impagável! Boas notícias para os brasileiros: não precisamos mais de visto para entrarmos na Rússia desde Junho de 2010. Privilégio que os visitantes dos países da União Européia ainda não têm!

NEVSKY PROSPEKT

É preciso reservar uma tarde para simplesmente “bater perna” por Nevsky Prospekt, a avenida principal do centro de São Petersburgo.Planejada pelo fundador da cidade, Pedro-O Grande, lá estão as principais opções de vida noturna, as lojas mais elegantes e os imóveis mais caros da cidade.Além disso, passeando por Nevsky Prospekt, é possível conhecer algumas das mais interessantes atrações de São Petersburgo, tais como o Stroganov Palace ( Palácio onde residia o aristrocrata que criou a receita do mais famoso prato da culinária russa: Strogonoff!), a imensa Catedral Kazan em estilo Neoclássico, além de uma diversidade de Igrejas do século XVII de diferentes credos; o monumento em homenagem a Catarina- A Grande e, finalmente, a ponte Anichkov, com suas famosas estátuas de cavalos.Pela Nevsky Prospekt, também chega-se com facilidade ao esplendoroso Palácio de Inverno, símbolo maior da Revolução Socialista e “casa” do mundialmente famoso Museu Hermitage, cujo acervo de obras de arte inclui pinturas de Leonardo Da Vinci, El Greco e Velazquez. Essa avenida serviu de cenário para as obras de Fyodor Dostoyevsky e é o símbolo da elegância e da exuberância de São Petersburgo. Imperdível!

http://nevsky-prospekt.com/home.html

O TEATRO MARIINSKY

Para quem gosta de assistir Óperas e Ballets, o Teatro Mariinsky,inaugurado em 1860, é um programa perfeito. O palco é um sonho e assistir a uma estréia nesse teatro custa cerca de 100 Euros(4000 rublos), se você quiser estar em uma das primeiras fileiras da platéia. No intervalo das apresentações, recomendo comer um canapé de caviar vermelho e visitar os salões do teatro, onde os figurinos originais de antigos bailarinos e diversas fotos da História do lugar estão expostos. Assistir à qualquer espetáculo de Opera ou Ballet em São Petersburgo é mergulhar no estilo de vida dos locais, que são grandes entusiastas de qualquer tipo de arte. Não deixem de levar um vestido formal, ou um terno na mala!Esse programa é pra ser aplaudido de pé!

http://www.mariinsky.ru/en

UM TURISTA EM SÃO PETERSBURGO

São Petersburgo tem muito para ser visitado e fotografado. Existem alguns lugares que, simplesmente, não podem ser esquecidos por nenhum turista bem informado: a Igreja do Sangue Derramado com seus mosaicos fascinantes,a Catedral de São Isaac, o Palácio de Verão de Catarina-a Grande e a Fortaleza de Pedro e Paulo às margens do Rio Neva. Para conhecer bem São Petersburgo, é preciso CAMINHAR. Táxis não são uma boa opção de transporte, já que os motoristas não falam inglês e é provável que o turista acabe pagando uma fortuna por uma corrida pequena.Caminhar não vai ser uma tortura, porque a cidade é linda e deve ser visitada com calma. Eu recomendaria uma estadia de cinco dias para conhecer tudo de importante no centro e arredores. Algumas atrações, como o belíssimo Palácio de Verão de Catarina, ficam em cidades próximas.

http://www.guidestpetersburgrussia.com/

O ENCOURAÇADO POTEMKIM

Quem gosta de Cinema, ou trabalha com Cinema, não pode deixar de visitar o navio de guerra que inspirou o filme “O Encouraçado Potemkim”, de 1925, dirigido por Sergei Eisenstein. O clássico filme foi baseado numa revolta do ano de 1905, organizada pelos marinheiros deste “encouraçado”, que, hoje em dia, está atracado em São Petersburgo e pode ser visitado.

HOTÉIS E RESTAURANTES

Para quem quer se hospedar em grande estilo em São Petersburgo ( Cabe lembrar que a Rússia é um país caríssimo, infelizmente! São Petersburgo não é uma cidade tão cara como Moscou, mas está longe de ser econômica. Hospedagem muito barata na cidade eu não recomendaria. Esquema “Mochilova Hostelovsky” por lá pode reservar surpresas desagradáveis para sua viagem.), uma excelente opção na Nevsky Prospekt seria o Radisson SAS Royal, ou então o Novotel Centre numa rua adjacente ( Esse eu recomendo muito, me hospedei lá!). Junto ao Rio Neva, com uma atmosfera mais romântica, eu poderia indicar o lindíssimo Kempinski Moika 22. No entanto, eu realmente acho mais inteligente buscar uma hospedagem na Nevsky, porque todos os serviços estão concentrados por lá e é onde a cidade pulsa de noite. Bom, vamos falar de comida! Sim, em São Petersburgo eu comi o melhor Strogonoff da minha vida, num restaurante com clima de “casa” chamado TEPLO (http://www.v-teple.ru/cafe/menuenglish/). É uma excelente pedida depois de um dia exaustivo andando pela cidade! Vocês não vão se arrepender de provar esse prato em território russo. O Teplo é muito tradicional e o site que eu compartilhei tem o menu em inglês. Outra dica que eu posso passar é um drink no 6 th Floor Terrace, que tem uma vista deslumbrante e fica no Renaissance St. Petersburg Baltic Hotel.O Cafe Singer, na Nevsky Prospekt, é imperdível porque funciona no prédio de art nouveau que já abrigou a sede da fabricante de máquinas de costura Singer. Esse café é um clássico da cidade e um ótimo lugar para observar o movimento dos locais no final da tarde. Para finalizar, vou cometer um absurdo gastronômico! Recomendo muito que o Mc Donald’s de São Petersburgo tome cinco minutinhos do tempo de vocês durante a visita à cidade. O motivo? Uma tortinha de cereja fabulosa. Só tem na Rússia! Incrível! Seja pelos museus, pela beleza das pessoas, pela cultura, pela arte ou pela gula; São Petersburgo vai ficar na memória de quem conhecê-la. Estou doida pra voltar!

By Fernanda Seabra.

Cineasta formada na Universidade Estácio de Sá. Escreve e faz revisão de roteiros e, no final desse ano estará começando um curso de especialização no Instituto Le Cordon Bleu de gastronomia. Viaja à procura de arte, sabores e cultura. Não se cansa de viajar e, quanto mais cantinhos do mundo conhece, mais pensa que ainda há muito o que ser desbravado….


Ver mais >
10 de agosto de 2010

My Kind of Town – Emirados Árabes

RELIGIÃO

Estar em um país islâmico é surpreendente por muitos motivos. O principal deles, é porque não é tão surpreendente quanto a gente imagina. Bom. Claro que é! Mas não da maneira que eu pensava. Nos Emirados Árabes Unidos,  estive em Dubai, Abu Dhabi e Fujairah. Emirados mais liberais, menos conservadores e tolerantes com outras religiões. Bom, se você tiver um visto de Israel no seu passaporte, trate de tirar outro documento, antes de ir para lá.
A devoção pelo islamismo me surpreendeu. 5 vezes por dia,  ecoa por toda a cidade os cantos dos minaretes das centenas de mesquitas que conclamam os muçulmanos a rezarem. Eu sempre acordava, às 5 da manhã, arrepiado com aquelas palavras em árabe. Ainda que sem saber o que significavam, pensar que todo o país rezava ao mesmo tempo me emocionava. Em todos os hotéis há uma seta no teto, indicando para onde fica Meca. E se eles forem chamados e estiverem dentro do shopping, por exemplo, há uma prayer room’s ao lado de cada toalete. No vôo da Emirates vi uma mulher estender seu tapetinho no chão do avião e começar a rezar, mas óbvio que antes ela perguntou a aeromoça onde ficava Meca. Já o jovem que estava ao meu lado (lendo uma apostila de Harvard) rezou ali mesmo na poltrona.

MODERNIDADE

Se eu fosse teletransportado sem saber para Dubai, em um primeiro momento me sentiria em uma cidade Norte Americana ou quem sabe em uma Barra da Tijuca (bem) melhorada. Como o emirado começou a ser construído no início da década de 1970, tudo é muito novo. Todos os problemas que uma cidade grande passou os urbanistas que projetaram Dubai já conheciam. Resultado. Ruas muito largas, moderníssimo sistema de metro, prédios assinados pelos melhores arquitetos do mundo, e até ponto de ônibus com ar condicionado, a final, estamos no meio do deserto.
Curiosamente, para todo lugar que se olha vê-se flores coloridas. O cuidado com o paisagismo e a limpeza da cidade é impecável. Para se ter uma idéia, quem andar com o carro sujo na cidade pode ser multado. Se você for pego jogando lixo na rua pode ter a mão cortada. Hahahaha mentirinha gente. Óbvio que isso não acontece. Aliás, não existe esse negócio de cortar a mão em Dubai. Ladrão lá é deportado. Assassino vai para a prisão perpétua e traficante de drogas, um… esse sim vai para o corredor da morte.

LIBERAL, MAS NEM TANTO

Ainda que Dubai seja o emirado menos conservador, é importante que se respeite os costumes do islamismo. Bebida alcoólica, apenas dentro de hotéis e boates. Não que o consumo na rua seja proibido, mas é considerado falta de respeito com os muçulmanos que não bebem. Digo isso porque alguns deles bebem. Existem vários “graus” de religiosidade, por isso mesmo existem diferentes tipos de costumes e formas de se interpretar o Alcorão. Isso varia muito do local que se está, e dos costumes familiares. Entretanto, quando algumas regras são quebradas a punição costuma ser severa. Para se ter uma idéia, em 2008, 40 homossexuais foram presos e deportados por cometerem “ações imorais”.

COMPRAS

Dubai é considerado um dos principais destinos para quem quer fazer compras. Nossa moeda vale quase o dobro da deles e (pasmem) lá não cobra-se impostos das pessoas. Para completar, quando eu estava lá, acontecia o Dubai Shopping Festival. É isso mesmo que você está pensando. Entre 24 de janeiro e 24 de fevereiro, em todos os shoppings de Dubai, você pode se deparar com descontos de até 70%. Pode somar: real mais forte, 70% off e zero imposto.
E o que não falta em Dubai é shopping. Os dois maiores são o Dubai Mall, que tem o maior aquário indoor do mundo e o Emirates Mall que tem uma estação de ski dentro. Vale ir aos dois. Todas as principais lojas do mundo estão lá. O povo árabe tem uma tara especial por ostentar riqueza e luxo, então, as marcas mais caras se fazem por lá. Quando você chegar ao aeroporto e vir um carrão daqueles exposto. Pode ter certeza ele não está ali para decoração. A galera compra mesmo.

MULHERES

Não se engane quando vir aquelas mulheres muçulmanas com suas roupas pretas achando que elas são submissas e não sacam nada de moda. Em festas e reuniões sem a presença de homens, elas ficam vestidas como qualquer mulher de Paris ou Nova York. Ostentam as melhores marcas e as jóias mais caras. Muitas delas são formadas nas melhores universidades da Europa assim como seus maridos. Em nenhum momento vi algumas delas serem desrespeitadas. Nem mesmo aquela história de ter que andar não sei quantos metros atrás do maridão. E aquela onda do cara ser casado com mais de uma mulher é muito raro também.

MAIOR E MELHOR

Quando cheguei ao resort que fiquei hospedado, o Atlantis, comecei a entender porque dizem que o Oriente Médio é o lugar dos superlativos. Lá somos surpreendidos a todo instante por alguma coisa que é a maior das arábias, maior do mundo, mais cara do mundo etc. Dentro do hotel fica o maior parque aquático do Oriente Médio, e você pode admirar, da varanda da suíte ou de dentro do restaurante, um tubarão baleia de uns 4 metros. O hotel fica na ilha Palm Jumeirah que faz parte do maior arquipélago já construído pelo homem. Por lá também fica o recém inaugurado maior prédio do mundo, o Burj Kalifa, o maior aquário indoor do mundo, a maior mesquita do mundo, o maior tapete feito a mão do mundo o maior mercado de ouro do mundo e por aí vai. É uma mania de grandeza que não tem tamanho.
Bom, passei 25 dias por lá e como “falo pouco” acaba que tenho um livro para contar. Além dos três emirados que visitei, também fui a Muscat, Omã; Mina Salman, Bahrain; Petra, Amman e Madaba na Jordânia; Damasco, Palmira e Maloula, na Síria. Espero poder voltar aqui para contar um pouco mais das curiosidades daquelas bandas. E quem quiser dicas, pode me escrever.

By Thiago Espósito Simões

É jornalista, poeta, músico e formando no MBA em Gestão Cultural na FGV. Atualmente trabalha na área de marketing e produção musical do grupo Rio Scenarium e sócio do OOJAZZ!, empresa especializada em marketing cultural. (thi.esposito@gmail.com)

Ver mais >
« Posts Antigos